sábado, 19 de agosto de 2017

Dentro de nós


“Nós não vemos o que vemos, nós vemos o que somos. Só veem as belezas do mundo aqueles que têm belezas dentro de si”


(Rubem Alves)

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

[Resenha] Mestre das Chamas - Joe Hill

    
Título: Mestre das Chamas

Autor: Joe Hill

Páginas:  592

Editora: Arqueiro

Sabe aquele autor que você quer ler até a lista de mercado? Esse é Joe Hill para mim, leio qualquer coisa dele sempre! Desde que peguei o livro de contos dele, Fantasmas do Século XX, que eu não consigo parar de lê-lo. 

     Como diz a Alessandra: Joe Hill é amor!

     Sim! Amor!! Então por favor, Joe, não deixe meu amor acabar!! 
     
     O que eu mais gosto na escrita do Joe Hill é o toque irônico que ele coloca em suas histórias. Mesmo no momento de maior tensão, ele consegue fazer piadinhas. Adoro isso!

     Mas preciso ser justa, não é porque eu gosto de um autor, que não vou dizer que não gostei de uma obra, então preciso dizer que fiquei um pouco decepcionada com Mestre das Chamas.

     Pois é, eu também me decepcionei. Talvez estivesse esperando algo mais intenso e melhor que Nosferatu... porém, "Mestre das Chamas" passou longe disso.

     Na verdade em alguns momentos me lembrou muito o pai dele no auge das drogas. (Pra quem não sabe Stephen King usava muiiitaaa droga, e escrevia. Tem livros dele que ele sem se lembra de ter escrito. Esses são os livros mais chatos do autor, com descrições em excesso e assuntos perdidos no meio da trama.)

     A história é uma distopia, pós apocalíptica adulta. Há um fungo, Escamas de Dragão, consiste em uma especie de escama que nasce no corpo do hospedeiro e o faz entrar em combustão espontânea. 

     Ninguém sabe como ou onde essa praga começou, alguns morrem poucas horas após adquirir o fungo, outros demoram dias, e algumas pessoas aprendem a controlar e até usufruir de seus efeitos colaterais, se tornando “X-Men” das chamas...

     Achei essa coisa da Escama de Dragão excelente! Adoro temas inovadores nos livros. Imagine você pegando um fungo desse na fila do banco, e de repente, PUFF, explodiu.
"Harper Grayson já tinha visto muita gente pegar fogo na TV, todo mundo tinha, mas a primeira pessoa que viu pegar fogo de verdade foi no parquinho atrás da escola."Pag. 10
     O mundo está um caos, os EUA caiu, e uma enfermeira contaminada com as Escamas de Dragão precisa se proteger para proteger seu filho ainda no ventre. Um bombeiro, másculo, bem-humorado, cheio de talento e mistérios é uma especie de príncipe encantado, contrapondo o pai do bebê da enfermeira, que parece o Gastão, saído da história da Bela e a Fera.

     Vou falar desses personagens; a enfermeira é o tipo de protagonista que eu me apaixono fácil. Tem sua dose de inocência e acredita muito no amor e nas pessoas erradas, mas em contrapartida, é forte e determinada. Dá sua vida para ajudar os outros, seu coração é maior que ela mesma. Fora que fiquei imaginando o quão linda ela ficou coberta por essas escamas pretas e douradas pelo corpo.

     O Bombeiro, um homem forte e bem humorado que consegue controlar as chamas dele e dos que estão próximos. Ele sabe como fazer com que um infectado consiga sobreviver e usar seu poder para um bem comum. 

     Já o ex-marido de Harper é um monstro, um homem egoísta, fútil, egocêntrico, nojento, asqueroso, insuportável... Não canso de xingar esse ridículo.

     No quesito criação de personagens, Joe Hill é mestre. Isso não dá pra negar.

     A história é arrastada e me lembrou muito Stephen King, (para quem não sabe, Joe Hill é filho de Stephen king). Eu particularmente, não consigo ler o King, não vou dizer que ele é ruim, apenas que, há autores que não escrevem pra gente, é o meu caso com o King... 

     É isso mesmo. Uma história incrível, com personagens maravilhosos, mas que se perderam no meio de tantas páginas. Foi difícil ler, foi difícil terminar a leitura... Prolixidade, seu nome é Joe Hill.

     Neste Mestre das Chamas, eu fiquei triste, decepcionada e cansada da leitura... 

     Apesar de ficar encantada com esses três personagens e com os coadjuvantes, foi impossível gostar da narrativa. O livro realmente se salva pelos personagens, mas a história é decepcionante.

     Ficou na média. Pontos positivos e negativos. Nada demais. Não supriu minhas expectativas. 

     Recomendo que leia e tire suas conclusões.
"Em certo sentido, claro, eu acho que todo mundo sempre morre no meio de uma boa história. Da sua própria história. Ou da história dos seus filhos. Ou dos netos. A morte é sempre dureza para os viciados em narrativas."Pag. 30

E para encerrar a Promoção 101 com chave de ouro, está aqui a resenha do blog Tô Pensando em Ler.
Seja bem vinda no My Life e muitíssimo obrigada por ter participado!

sábado, 29 de julho de 2017

A carta final


Porque escrever pode ser o seu último pedido antes de fritar seus miolos em uma cadeira elétrica? Talvez seja uma forma de expurgar meus pecados de forma simples e resumida, já que eu não acredito em Deus. Enfim, permita-me me apresentar: me chamo Frederic King, mas a galera costumava me chamar de Fred.
Minha vida já começou daquele jeito, quando fui concebido em um beco de Manhattan por um usuário de drogas e uma moradora de rua (também usuária). Desde pequeno tive que conviver com as drogas, porém nunca tive interesse ou vontade de usar, justamente por esse motivo apanhei muito da minha “mãe”. Você deve estar nessa parte pensando que tipo de mãe é essa, não é? Bom... ela não batia muito bem da cabeça mesmo, aliás, sempre batiam a cabeça dela na parede por conta das dívidas com as drogas. Decidi fugir de casa – se é que devo chamar assim a lata de lixo que eu morava no beco – aos 7 anos de idade. Sem rumo, sem nada.
Depois de vagar pedindo comida, brigando com pombos, fui parar em Little Italy, onde comecei a fazer minha vida. Á princípio, arrumei um trabalho de engraxate na frente da quitanda de Tony, dava pra ganhar uns trocados com aquele trabalho, mas ainda não tinha onde dormir. Uma noite enquanto dormia na rua, roubaram minha caixa de engraxar, então tive que arrumar outro emprego. Por sorte, eu vivia na rua, engraxava já a quase 1 ano e justamente por não aumentar o preço do serviço (e isso não foi uma atitude burra), ganhei clientes importantes do bairro, da cidade... talvez até do Estado. E foi assim que eu fui atrás de Vito.
Vito era um um dos integrantes da família mais respeitada de Little Italy, não irei falar o nome para não os entregar. Conversei com ele e passei a fazer pequenos serviços, como fazer compras, entregar recados e claro, engraxar os sapatos, em troca de moradia e alimento. Vito confiava em mim, via “o filho que nunca tive” como costumava dizer, me matriculou em uma escola e me tratava muito bem. Tudo aconteceu muito rápido para mim, que sai literalmente do lixo, e estava amando. Queria ajudar ainda mais Vito, mas ele nunca deixava.
- Quando você tiver idade, filho, te precisarei de você. Por hora, se concentre nos estudos para ser alguém na vida.
E foi assim, foquei nos estudos até o meio do Ensino Médio, quando fui chamado por Vito em sua sala. Em todos os anos que vivia naquela casa nunca fui chamado aquela sala, poucas pessoas entravam ali, e eu nunca tive curiosidade de estar lá. Entrei, tive uma conversa com Vito. Ele me perguntou se eu podia fazer qualquer coisa por ele, já que sempre pedia. De início, achei esse papo estranho, mas ele me explicou melhor. Um dos grandes negócios da família é, até hoje, o tráfico de armas e agora que eu era um “menino crescido” – como ele mesmo gostava de dizer –, já poderia ajudar ele de uma forma melhor.  Você deve estar se perguntando como eu nunca percebi isso antes, não é? Simples, Vito me mantinha ocupado o dia inteiro. Eu estudava, fazia aulas de etiqueta e praticava futebol, tudo financiado por ele. Chegava em casa já era no fim de tarde e todas as atividades eram normais. Nunca perguntei nem pedi nada á ele, já que eu era grato por ter um teto sobre minha cabeça e alimento no prato.
Depois da conversa que mudou minha vida, já tive minha primeira missão. Haviam outras famílias em Little Italy, e uma delas em especial estava se intrometendo nos negócios de Vito. Alvejar o chefe da família seria muito difícil, então teria que começar pelo filho. Confesso que foi bem mais fácil do que eu pensei. Vito me deu uma arma carregada, me ensinou a usar e disse o que fazer. Encontrei o “alvo” em uma rua não tão movimentada no fim de tarde, saquei a arma e atirei 6 vezes, acertando três, dois no peito. Com 17 anos, eu tinha matado pela primeira vez e em momento algum eu senti pena, culpa ou remorso. Voltei pra casa, coloquei a arma na mesa de Vito e avisei que o serviço estava pronto. Instantes depois ele recebeu um telefonema falando que o filho do outro chefe havia sido baleado e morto, Vito me parabenizou na hora e a partir dali me tornei o que sou até hoje, o que serei até o momento em meu último miolo derreter e meu olho descolar da orbita por conta da voltagem alta.
A partir dali eu tive que sair da escola, aprendia o que dava lendo em casa. Era chamado para “missões” frequentes. Basicamente consistia em matar, roubar, obter informações necessárias de forma eficaz (tortura inclusa, claro) e fazer o acordo ou entrega do carregamento. Era simples, eu impunha respeito em todos e se não respeitassem, eu tinha o total direito de eliminar do mapa de forma rápida e eficaz. Nenhuma dessas missões em si foram tão marcantes quanto a primeira, a qual já mencionei. Era mandado para o bairro chinês, árabe, já cheguei a ser mandado até para outros Estados. Claro que minha vida não ia passar despercebido, eu era conhecido nesse submundo e quase sempre tinha alguém tentando ter minha cabeça como troféu, mas como podem perceber, não conseguiram... e foi por pouco.
O motivo da minha prisão é uma coisa tão banal e idiota, que acho desnecessário entrar em detalhes. Basta dizer que foi uma enrascada muito malfeita em que eu caí. Tráfico de armas não dá pena de morte, mas assassinatos sim.
E neste momento você, o leitor dessa carta, deve estar se perguntando se eu sinto culpa, remorso, ou qualquer merda desse tipo agora no meu leito de morte (ou cadeira, no caso) e a resposta é direta e contém três letras: NÃO! E sabe por que?
Porque se eu não tivesse ido atrás de Vito e ajudado em tudo que ele me pediu e propôs, eu teria sido um zé ninguém e moraria no lixo, provavelmente se rendendo a tentação das drogas igual aconteceu com a minha mãe ou com meu pai – o qual nunca fiz ideia de quem era –. Hoje sou conhecido, fui respeitado na prisão, respeitado fora dela e serei lembrado para todo sempre.
Enfim o guarda me chama, tá na hora de fritar um pouco. Tenho alguns agradecimentos a fazer, primeiro ao ser vivo que roubou minha caixa de engraxate porque se não fosse ele, eu não teria trilhado esse caminho. E também claro, agradeço a Vito pela oportunidade e por toda a ajuda que pode me dar ao longo dos meus 23 anos que acabam hoje. Vida curta, não? Mas vou sem arrependimento, afinal só se vive uma vez.

Texto do Blog Livros, Amor e Mais.
Sou leitora deles há pouco tempo, mas adoro esse cantinho especial.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Fica a dica


Post do Meus Segredos, da Bell.
Quero agradecer enormemente por participar da Promoção 101 e por estar presente há tanto tempo aqui no My Life.
Super indico esse cantinho maravilhoso da Bell, a cada dia um novo texto, aventura, dica, opiniões. Vale muito a pena conferir.

sábado, 22 de julho de 2017

Esperança


A moça na janela
Cortina de renda acarinhando os braços
Violeta é companhia, em vasinho de barro meio rachado
Nos dedos, os negros cachos,
Sossegada cascata que o vento aprendeu a desarrumar
Seus ombros baixos, sustentam a leveza do afeto
E a mão no queixo quase encobre seu quase sorriso
No horizonte os olhos brilham em espera, e se perdem ao piscar
Se perdem ao contar as horas, os dias, as nuvens, as flores, as batidas do coração
Seus ombros baixos, agora mais baixos, envoltos na negra cascata
Sobre a mão, o sorriso já é quase suspiro. Doce espera
E ela, dorme
A moça na janela.
Bárbara Paloma
Do blog, Degradê de Palavras, super indico esse cantinho.
Obrigada por ter participado da Promoção 101, 

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Religiões


“[...] – Como cientista e filha de um padre católico, o que você pensa da religião? [...]
 - Religião é como um traje ou uma língua. Gravitamos em torno das práticas com as quais fomos criados. No final, porém, todos proclamamos a mesma coisa. Que a vida tem um sentido. Que somos gratos ao poder que nos criou.
A resposta intrigou Langdon.
 - Então está dizendo que ser cristão ou muçulmano depende do lugar onde você nasceu?
 - Não é óbvio? Veja a difusão da religião pelo mundo afora.”

Conversa entre Langdon e Vittoria,
Anjos e Demônios, Dan Brown.


Lembrando que a Promoção 101 continua e vai até sexta, 21/07.
Corre participar se ainda não participou.

terça-feira, 11 de julho de 2017

101 Blogs


Olá leitores, como vão?
Não sei se todos já perceberam, mas o blog tem uma guia chamada 101 blogs. O título foi inspirado em 101 dálmatas (não ria). 
A questão é que criei esta guia como um espaço para divulgar meus leitores e blogs que estou sempre dando uma olhadinha, mas a verdade é que ele nunca chegou nem perto dos cem. Sempre que o numero de blogs estava aumentando, percebia que haviam vários blogs desativados, tendo que tirá-los em seguida.
Então aproveitando as férias e o tempinho extra, decidi mudar a situação lamentável da guia 101; apresento-lhes: Promoção 101!
É fácil, basta comentar neste post um blog, dois, três (quantos você quiser). É só colar aqui o link do blog que você indica; em seguida vou no blog que você indicou, aviso sobre o amigão blogueiro e convido a participar da promoção também.
E como gratificação por ter participado, irei publicar um texto de seu autoria aqui no My Life, com os créditos do seu cantinho.
Então corre participar que vamos nessa até o dia 18/07/2017 21/07/2017 (ainda tem gente comentando) para as postagens começarem em seguida. 

Conto com a participação de todos.

Obrigada, e vamos nessa nos inteirar mais na blogsfera.

Raphaela Barreto